samantha dutra 2 palestra conectadas

Palestra – Conectad@as

No dia 10/11/2016 tive a honra de receber o convite do professor Gutenberg Almeida para palestrar no evento “Mulheres Conectad@as – Qual a visão delas sobre Marketing e Comunicação Digital”.

Levei o tema “Os desafios da mulher empreendedora entre tempo, espaço e produtividade” categorizados entre:

Tempo: hora de trabalhar, hora de buscar as crianças na escola, hora de cuidar da casa, etc… Pra quem trabalha em casa sabe que não é tão fácil separar um tempo para cada coisa.

Espaço: onde é o seu home office/ateliê? Sua empresa (você) precisa de um espaço para se dedicar aos seus trabalhos e você precisa “educar” a todos da sua casa que a partir do momento que você está ali você está trabalhando. Pode ser fácil para uns mas para outros…

Produtividade: eita… Aqui está o X a tão temida produtividade… O que é ser produtivo para você? Quantidade ou qualidade?

No nosso bate papo (e no slide) eu citei algumas ferramentas que podem nos auxiliar diariamente nesses desafios e dicas de leitura. Ao vivo com certeza foi falado mais coisas que no próprio slide, mas acho que o material pode dar um suporte legal.

Para quem tiver interesse, aqui no blog tem outras postagens sobre empreendedorismo e produtividade.

Após a apresentação deixei o link das outras apresentações que teve no dia.

😉

 

Iceberg do sucesso

Deixe o 9h às 18h de lado…

A mentalidade “09h às 18h”, a posição de funcionário são termos tão antigos e tão vivenciados… As palavras “colaborador”, “líder”, e “intra empreendedorismo” são usadas para um “efeito” empresa moderna e horizontal que vive estampadas nos sites, manuais e planos de negócio.

Vem cá, todo mundo sabe que na maioria das vezes isso não existe. Ok, você pode trabalhar em uma empresa foda (ou top) que tem puffs, sinuca, totó etc… Mas quando dá 17h50 de uma sexta-feira a mentalidade é outra.

Minha vontade de falar sobre isso veio depois dessa linda imagem compartilhada pelo querido professor Gutenberg, porque parece que eu vivo tudo isso do iceberg todos os dias da minha vida.

Iceberg do sucesso

Antes que venham com 78 pedras na mão, esse texto não é para incentivar os funcionários/colaboradores a trabalharem 12h/dia para o chefe/líder e sim para incentivar e trazer uma reflexão para quem tem um sonho/objetivo/meta de alcançar algo ou montar o seu próprio negócio.

A veia empreendedora e a vida pós “9h às 18h” faz você sair do trabalho e vender pirulito, bolo no pote e docinho no intervalo da faculdade, faz você chegar em casa ou ainda dentro do ônibus rascunhar um texto para o seu blog ou para o seu Likedin Pulse, faz você ter brilho nos olhos quando falam sobre um assunto que você é apaixonado e não cabe dentro de você tanta vontade de compartilhar aquilo com alguém (talvez essa seja a sua real paixão que pode ser transformada em um negócio).

Vida “9h às 18h” é tão chata para algumas pessoas… Você trabalha olhando toda hora para o relógio de ponto e quando dá 18h01 e alguém te pede uma coisa você balbucia “não estou mais no meu horário de trabalho”. Eu já ouvi isso inúmeras vezes… E conheço pessoas que gostam desse “espírito de funcionário”, pessoas que são acomodadas ganhando o salário delas que dá para pagar suas contas pessoais. Minha obrigação é respeitar essas pessoas que têm esse pensamento, mas a minha real vontade é dar uma sacudida nela e descobrir seus talentos rsrsrs…

A minha real pergunta é: Se esse ~funcionário~ não tem perspectiva de crescimento e gosta da zona de conforto onde ele estará daqui uns 5 anos? Vivemos em uma sociedade onde muitos aposentados dão um show em muitos jovens no quesito tecnologia, política e conhecimentos gerais.

Sabe de uma coisa que lembrei? O plano de carreira ou crescimento profissional não é responsabilidade do chefe/líder. Devemos parar com a mentalidade “9h às 18h” resmungando a falta de oportunidade e crescimento na empresa. Se o seu chefe/líder ainda tem mentalidade de chefe (aquele de antigamente) que não quer inovar, trazer novas propostas para a empresa ou para o ambiente de trabalho e se você sente muito incomodado com isso, amigo, seu lugar não é aí.

Mas Samantha, eu não tenho mentalidade de “9h às 18h”, não sou acomodado, gosto da “estabilidade” da empresa e não quero montar o meu negócio. Posso empreender?

Lógico!

Independente da área que você trabalha, seja ela comércio, indústria, serviço… Quando você começa a se movimentar o seu nome movimenta junto e você cria a sua marca pessoal. Quando você cria a sua marca pessoal você se destaca pelas suas competências dentro da sua empresa (e fora dela) o que aumenta consideravelmente a probabilidade de uma promoção ou um novo desafio em outra empresa.

Como fazer isso:

  1. Esteja atualizado com as novidades e tendência do seu setor
  2. Divulgue tudo que você faz – se sua rede social só tem foto de academia e do seu cachorro é assim que as pessoas vão ver você. Elas não fazem ideia do seu talento e potencial empresarial. Mude um pouco o seu comportamento nas redes sociais.
  3. Leia e estude muito! #Sasadica de livro: Personal Branding
  4. Tenha um Linkedin atualizado e faça publicações sobre a sua área de trabalho, sobre a sua visão sobre um determinado assunto ou até mesmo uma dica de leitura.
  5. Invista em networking! Compareça em eventos, encontros e cursos complementares da sua área e tenha sempre um cartão de visita no bolso. Relacione com pessoas do seu setor para abrir os seus horizontes.

Deixe as pessoas saberem que você não é um “9h às 18h”

Mexa-se!

como começar a empreender

Quer empreender? #Sasadicas para começar bem.

A dificuldade de empreender pode depender muito do ponto de vista de cada pessoa. O que é empreender para você? Das respostas mais comuns podemos citar:
– Trabalhar em casa.
– Ser dono do próprio negócio.
– Fazer o que eu amo e ainda ganhar dinheiro por isso.
Entre outras…

Eu sempre acho que a essência de empreender está dentro de cada um, e isso é trabalhado realizado durante a sua trajetória de vida.

Antes de pensar em “empreender” para trabalhar dentro do seu próprio tempo e gerindo o seu negócio, pergunte-se: “eu intra-empreendi?” Enquanto você estava nos seus outros empregos, inclusive aqueles fora da sua área de formação, você empreendeu? Você pensou em novas soluções, ideias, trabalhou em equipe e foi leal ao seu líder?

Na área da comunicação é muito comum encontrar pessoas que só reclamam do mercado, da falta de oportunidade e sempre falam da sua frustração de tentar empreender ou como alguns chamam: abrir um CNPJ.

Conhecendo histórias de outros empreendedores aprendi que não existe receita para o seu negócio dar certo, mas existe formas de não começar errado  e vou dar umas dicas que pode dar certo para o seu futuro como empreendedor:

  • Intra empreenda onde você estiver independente da área que você trabalha hoje,
  • Esteja com pessoas melhores do que você e aprenda com elas,
  • Tenha um líder ou inspiração/referência,
  • Antes de pensar em largar tudo para trabalhar em casa trabalhe o seu branding e/ou seu personal branding,
    Esteja presente em cursos de aperfeiçoamento e palestras (quem não é visto não é lembrado).

O seu sucesso e os novos clientes será consequência de todo o seu esforço e dedicação. Ainda reforço: não saia do seu emprego fixo se você não tiver certeza do que você quer para a sua vida.

Se você já deu esse passo de empreender e abrir o seu próprio negócio, quero deixar de dica alguns artigos e livros sobre produtividade, que é a outra etapa bem difícil do processo.

Livro: 60 estratégias práticas para ganhar mais tempo

Ferramentas:

Evernote

Asana

Todoist